Câncer de Laringe

Fique atento

 

Para o triênio 2020-2022, estimam-se no Brasil,  6.470 casos novos de câncer de laringe em homens e 1180 em mulheres. O risco estimado é de 6,20 casos a cada 100 mil homens e de 1,06 a cada 100 mil mulheres.
Sem considerar os tumores de pele não melanoma, em homens, o câncer de laringe ocupa a oitava posição nas Regiões Centro-Oeste (5,47/100 mil) e Nordeste (5,02/100 mil); nona posição nas Regiões Sudeste (7,20/100 mil) e Norte (2,68/100 mil). Já na Região Sul (8,13/100 mil), é a décima primeira mais frequente. Entre as mulheres, ocupa a décima sexta posição em todas as Regiões brasileiras, Sul (1,37/100 mil), Centro-Oeste  (1,30/100 mil), Nordeste (1,06/100 mil) e Norte (0,54/100 mil), exceto na Região Sudeste (1,03/100 mil) que ocupa a décima sétima posição.
O câncer de laringe ocorre predominantemente em homens acima de 40 anos e é um dos mais comuns entre os que atingem a região da cabeça e pescoço. Representa cerca de 25% dos tumores malignos que acometem essa área e 2% de todas as doenças malignas.
QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Os sintomas estão diretamente ligados à localização da lesão. Assim, a dor de garganta, principalmente durante a deglutição, sugere tumor supraglótico, e rouquidão indica tumor glótico ou subglótico.

O câncer supraglótico geralmente é acompanhado de outros sinais, como alteração na qualidade da voz, disfagia leve (dificuldade de engolir) e sensação de “caroço” na garganta. Nas lesões avançadas das cordas vocais, além da rouquidão, podem ocorrer dor na garganta, disfagia mais acentuada e dispneia (dificuldade para respirar ou falta de ar).

EXISTEM FATORES DE RISCO?
  • O fumo e o álcool são os principais fatores de risco, sendo que o fumo aumenta em 10 vezes a chance de desenvolver o câncer de laringe.
  • Estresse e mau uso da voz também são prejudiciais.
  • Excesso de gordura corporal aumenta o risco de câncer de laringe.
  • Exposição a óleo de corte, amianto, poeira de madeira, de couro, de cimento, de cereais, têxtil, formaldeído, sílica, fuligem de carvão, solventes orgânicos e agrotóxicos está associada ao desenvolvimento de câncer de laringe. Os trabalhadores da agricultura e criação de animais,  indústria têxtil, de couro, metalúrgica, borracha, construção civil, oficina mecânica, fundição, mineração de carvão, assim como cabeleireiros, carpinteiros, encanadores, instaladores de carpete, moldadores e modeladores de vidro, oleiros, açougueiros, barbeiros, mineiros, pintores e mecânicos de automóveis podem apresentar risco aumentado de desenvolvimento da doença.
DIAGNÓSTICO PRECOCE

A detecção precoce do câncer é uma estratégia para encontrar o tumor numa fase inicial e, assim, possibilitar maior chance de tratamento.

A detecção pode ser feita por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença (diagnóstico precoce), ou com exames periódicos em pessoas sem sinais ou sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença.

Não há evidência científica de que o rastreamento do câncer de laringe traga mais benefícios do que riscos e, portanto, até o momento, ele não é recomendado.

Já o diagnóstico precoce desse tipo de câncer possibilita melhores resultados em seu tratamento e deve ser buscado com a investigação de sinais e sintomas como:

  • dor de garganta
  • rouquidão
  • alteração na qualidade da voz
  • dificuldade de engolir
  • sensação de “caroço” na garganta
  • nódulo (caroço) no pescoço

Na maior parte das vezes, esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico, principalmente se não melhorarem em alguns dias.

Quanto mais precoce for o diagnóstico, maior é a possibilidade de o tratamento evitar alterações físicas, problemas psicológicos e de convivência social.

Fonte: INCA